top of page
hal wildson artista

Hal Wildson - Artista Multimídia, Poeta :

“Meu trabalho investiga o campo da memória e do esquecimento como ferramentas de construção e reconstrução de narrativas coletivas e individuais, através de pesquisas no campo físico e digital busco imagens, textos e símbolos nacionais, numa investigação sobre o poder do simbólico como coluna que alicerça nossa existência. A forma técnica como documentamos e forjamos a realidade também complementa meu corpo de pesquisa, cartas, livros, máquina de escrever e fotografia levam minha arte a um lugar de confronto entre o passado e o presente. O que o meu RG no bolso tem a dizer sobre mim? É por meio desse acúmulo de documentos e memórias que damos contorno à nossa forma de existir no mundo e à nossa ideia de identidade, por outro lado, essas memórias também fazem parte de uma realidade moldada pela ficção e por projetos de poder e apagamento, pois estamos o tempo todo inventando um realidade de nós mesmos e lidando com uma história oficial distorcida pelo olhar do opressor.

Foto: Rebecca Alves, Direitos revervados Jornal  "O Globo "

   Artista multimídia e poeta, nascido em 1991 no  vale do Araguaia (Barra do Garças/MT - Aragarças/GO), região de fronteira entre Goiás e Mato Grosso, conhecida rota e portal da Amazônia Legal, lugar determinante para entender a essência e as motivações de seu trabalho.

Sua pesquisa emerge de sua vivência no sertão do centro-oeste, marcado  pela configuração de sua família mestiça e marginalizada, o artista investiga a construção do Brasil confrontando os projetos de identidade, memória e esquecimento que sustentam a história oficial, na medida em que busca respostas sobre a própria origem.

Nascido em uma estrutura familiar moldada pela violência e o abandono, a história e o trabalho  do artista se misturam denunciando temas de um brasil "esquecido" fruto do coronelismo e do garimpo às margens do Rio Araguaia, ao tentar fugir da sina da "niguentude" descobre um projeto de "Brasil"sustentado pela violência do esquecimento.


“A lei do esquecimento forjou o país que conhecemos. Toda memória é um campo de batalha e um canteiro de obras...Sob sua força se Destrói o mundo que inventamos ou se Constrói o mundo que queremos."
Hal Wildson, 2020

   Desdobrando-se sobre o conceito de memória-esquecimento, identidade e a “escrita-reescrita”da história o artista se apropria de processos de documentação que foram utilizados nas últimas décadas (como a datilografia, datilograma, carteiras de identidades, carimbos) materiais e processos técnicos utilizados para documentar o oficial e portanto capazes de registrar a história do país e marcar a individualidade. Em sua pesquisa Hal Wildson se utiliza desses recursos de documentação para questionar os projetos de “memória e esquecimento” aplicados como políticas de controle social, seu trabalho ousa confrontar e disputar o poder do simbólico como alternativa de criar realidades mais justas. 

O que nossa carteira de identidade tem a dizer sobre nós? Qual o projeto de país simbolizado em uma Bandeira? O que nos determina como povo e como esses documentos são capazes de forjar nossa  forma de existir e atuar no mundo? 

Investigando documentos, objetos e símbolos nacionais a sua pesquisa se estrutura em dois pilares, de um lado a Ninguentude (neologismo derivado do conceito de ninguendade de Darcy Ribeiro : "o primeiro brasileiro nasce sendo ninguém um indivíduo sem pai, sem mãe, em uma terra em formaçao, um novo lugar, um novo povo se formando… cheio de contradições, violências, abismos"  nesse ponto a história do Brasil e a trajetória pessoal do artista se assemelham simbolicamente. Para Hal Wildson, nessa busca se tornar-se alguém nasce a identidade ou o que entendemos dela : Ninguentude - Identidade / Memória - Esquecimento


 

hal wildson artista

 "Sou instigado por coleções documentais, técnicas escritas e materiais de documentação, pois acredito que os documentos são objetos que permitem a criação de narrativas simbólicas da memória, na esfera pessoal, criando ficções sobre a própria existência e em larga escala na fabricação da história de uma nação, uma vez que cada memória carrega consigo o peso do esquecimento - o que estamos esquecendo de contar?”

hal wildson artista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MINI BIO



 

Artista multimídia e poeta, nascido em 1991 no  vale do Araguaia (Barra do Garças/MT - Aragarças/GO), região de fronteira entre Goiás e Mato Grosso, conhecida rota e portal da Amazônia Legal, lugar determinante para entender a essência e as motivações de seu trabalho. Sua pesquisa emerge de sua vivência no sertão do centro-oeste, marcado  pela configuração de sua família mestiça e marginalizada, o artista investiga a construção do Brasil confrontando os projetos de identidade, memória e esquecimento que sustentam a história oficial, na medida em que busca respostas sobre a própria origem. Nascido em uma estrutura familiar moldada pela violência e o abandono, a história e o trabalho  do artista se misturam denunciando temas de um brasil "esquecido" fruto do coronelismo e do garimpo às margens do Rio Araguaia, ao tentar fugir da sina da "niguentude" descobre um projeto de "Brasil"sustentado pela violência do esquecimento.

 

Desdobrando-se sobre o conceito de memória-esquecimento, identidade e a “escrita-reescrita” da história o artista se apropria de objetos simbólicos oficiais e de processos de documentação  que foram utilizados nas últimas décadas (como a datilografia, datilograma, carteiras de identidades, carimbos) materiais e processos técnicos utilizados para documentar o oficial e portanto capazes de forjar a mitologia e a história de um país e marcar a individualidade. Em sua pesquisa multidisciplinar, transitando entre a pintura datilográfica, a infogravura, instalaçao, video-arte e a criação de objetos, Hal Wildson se utiliza dos recursos de documentação  do oficial para questionar os projetos de “memória e esquecimento” aplicados como políticas de controle social, seu trabalho ousa confrontar e disputar o poder do simbólico como alternativa de criar realidades mais justas. 

 

Educação

Hal Wildson artista Re-Utopya
Hal Wildson artista Re-Utopya

2010 - 2013

Cursou Letras Literatura, UFMT - Barra do Garças, MT

Prêmios e Salões

 

2023

 

 

 

 

 

2022

2019

Vencedor do Prêmio BREEZE ( Exposição Individual em Londres). O Prêmio é uma iniciativa liderada pela Embassy of Brazil in London em parceria com a ABACT e Latitude - Plataforma para Galerias de Arte Brasileiras no Exterior.

 

Artista Indicado ao Prêmio PIPA, ano 15.

 

 

Salão Anapolino 27º Edição (Artista Premiado com Exposição Individual com Curadoria de Paulo Herkenhoff)

Galeria Antônio Sibasolly, Anápolis, Goiás, Brasil.

Salão Nacional Arte Pará 40 Edição ( Artista Premiado, selecionado para o programa de Residência Artística do Instituto Inclusartiz

SESI Arte e Criatividade (Goiás) Artista Premiado/ Categoria Arte sobre papel 

 

 

Obras em Coleções/ Acervo

2024

Coleção Museu Nacional de Belas Artes

Coleção Instituto PIPA

Coleção Paulo Herkenhoff

Coleção Frances Reynolds

Coleção Amazoniana

Exposições 

Exposição Individual

2022

RE-UTOPYA - Galeria Movimento - Rio de Janeiro, Brasil

2019

Casa Colagem  - Centro Cultural Octo Marques - Goiânia, GO

Exposição Coletiva

 

2023

Bienal de Lucca, Cartasia- LUBICCA - Lucca, Itália

 

Brasília, a arte da Democracia, FGV (Curadoria de Paulo Herkenhoff) - Rio de Janeiro/ RJ, Brasil.

 

Salão Anapolino 27º Edição, Centro Cultural UFG - Goiânia/ Goiás, Brasil

Bienal das Amazônias (Obras públicas) - Belém , PA/ Brasil

 

Salão Anapolino 27º Edição, Galeria Antônio Sibasolly - Anápolis/ Goiás, Brasil

“Whispers of the South” (Curadoria Lucas Albuquerque), LAMB Gallery - London/ UK

BIENAL DAS AMAZÔNIAS  (Curadoria de Keyna Eleison, Vânia leal, Sandra Benites e  Flavya mutran ) - Belém , PA/ Brasil

Abrir Horizontes - Centro Cultural Octo Marques - Goiânia, Brasil

(Curadoria de Dalton Paula, Divino Sobral e Paulo Duarte-Feitoza)

 

 

ALARME-FLUIDEZ-SONHO Mostra de Arte e Emergência Climática - São Sebastião, SP /Brasil

2024

2022

2021

Arte Pará 40 Edição - Belém, Brasil (Curadoria Geral Paulo Herkenhoff) 

Dias Melhores, Verão - Galeria Movimento- Rio de Janeiro, Brasil

Passado/Presente - 200 Anos Depois - Centro Cultural PGE - Rio de Janeiro, Brasil

 

PARADA 7 - Centro Cultural Helio Oiticica - Rio de Janeiro, Brasil 

                          Centro Cultural Justiça Federal - Rio de Janeiro, Brasil 

Da Terra à Terra - GAIA (Galeria de Artes do Instituto de Artes/UNICAMP), Campinas, Brasil 

Morte e independência. De quem? - UERJ - Rio de janeiro , Brasil

Riscos, Brechas e Horizontes - Galeria Movimento - Rio de Janeiro, Brasil 

 

Das espumas querer salvar uma ruína - Galeria Movimento - Rio de Janeiro, Brasil

Arte Core - MAM  - Rio de Janeiro, Brasil

Arte Core - Casa Natura Musical - São Paulo, Brasil

2018

Re- Existência - Exposição Coletiva, Media Lab UFG - Goiânia, Brasil

2017

Identidade Urbana - Olhares individuais - Goiânia, Brasil

2016

 Colagem Coletiva - SESI - Goiânia, Brasil

2014

Arte e Literatura - Terra Habitada (Selecionado por Edital) Sesc GO - Goiânia, GO

 

Pedaços da pós-modernidade - Sesc MA - São Luís, MA

 

 

Projetos Especiais

2023

O Artista foi Convidado para Desfilar com a Escola de Samba Beija-Flor

A Bandeira "Re-Utopya" abre o cortejo "Futuro Ancestral" finalizando o Desfile : "Brava Gente! O grito dos excluídos no Bicentenário da Independência".

Especial  Documentário "Mães do Brasi 2", Realização TV GLOBO, CUFFA , Kondzilla, com a  Série "República da Desigualdade"


O Artista é finalista do Concurso da nova Bandeira do MAR ( Comemoração de 10 anos do Museu). O Bandeira Re-Utopya foi selecionada pela curadoria  do Museu e ficou em segundo lugar na Votação Popular.
 

2022

Ateliê Aberto - SESC Paulista "Projetos de Memória e Esquecimento: Reescrevendo a Utopia Brasileira" - São Paulo , Brasil.

 

Emissão Postal Comemorativa: Bicentenário da Independência - Movimentos populares (CORREIOS)

2021

Especial  Documentário "Mães do Brasil", Realização TV GLOBO, CUFFA , Kondzilla, com a  Série "República da Desigualdade" .

Contate-me

bottom of page